Postagem em destaque

Corpo e pensamento

Hipócrates: o desconhecido, o evidente e a arte

Muitas coisas ficam obscuras aos olhos dos mortais e muito se faz para ver o não evidente, justamente porque nem tudo é passível de verificação. Não recusemos o que podemos fazer, nem desejemos o que nos é impossível. Quase sempre buscamos dois fins, o homem e a arte, nele encontramos o desconhecido e nela os limites do próprio conhecimento. Tanto num caso como noutro, é preciso da sorte. (Epístolas, carta 16)

Nenhum comentário:

Postar um comentário